By

30 dias de fitness, fitness, saber viver

Escolher um ginásio deve ser como escolher uma casa: tudo tem que ir ao encontro daquilo que idealizamos como o melhor para nós. É que vamos lá passar muito tempo, não é verdade? Para a ajudar nesta decisão, analisámos vários aspetos a ter em conta nos ginásios, para que veja qual é aquele que melhor corresponde aos seus interesses.

Chamemos-lhe Maria. Não dispensa o exercício diário, mas como tem dois filhos pequenos, precisa de escolher um ginásio perto de casa. Além disso, prefere um só para mulheres. Já a Francisca, vive sozinha e gosta de fazer caminhadas. Prefere um ginásio longe, para ir até lá a pé, e gosta de um clube com muitas aulas e com serviço de personal trainers (já leu o nosso artigo das 5 questões a colocar antes de escolher um personal trainer?). Depois, ainda há a Antónia, que gosta de passar despercebida durante o tempo que passa a fazer o seu treino de força, e que não prescinde de uns balneários amplos e com todas as condições que necessita para um bom banho.

Estes são cenários reais com que as mulheres, hoje em dia, se identificam. Têm os dias tão preenchidos, que o tempo que dedicam à atividade física tem que ser muito bem aproveitado. Para que isso aconteça, é fundamental que frequentem um bom ginásio, com as características exatas para que não desistam a meio.

E que características são essas? Antes de fazer a escolha há que delinear quais são os seus objetivos, quanto tempo é que tem por semana para alcançá-los e de que condições precisa para se sentir bem a treinar. Para a ajudar a escolher qual é o ginásio melhor para si, pegámos na lupa e analisámos os vários aspetos que deve ter em conta.

Proximidade de casa

Se tiver pouco tempo livre, o melhor é optar por um ginásio perto de casa. Além de perder pouco tempo nas viagens, um ginásio próximo vai fazer com que não haja desculpas para deixar o treino para o dia seguinte. Aqui, se privilegia a proximidade, o melhor é começar por pesquisar as cadeias de ginásios. O Holmes Place, o Fitness Hut e o Pump Fitness Spirit, por exemplo, têm ginásios espalhados por algumas cidades do País.

Flexibilidade de horários

Uns dias dá-lhe jeito começar a fazer exercício às 7 da manhã, noutros só consegue ir às 21h. Hoje em dia, quase todos os ginásios já têm horários extensos e estão de portas abertas desde cedo e até muito tarde. Damos-lhe alguns exemplos: as aulas no Virgin Active começam às 7h15, já o Fitness Hut está aberto de segunda a sexta-feira entre as 7h e as 23h. O Holmes Place e o Clube VII também têm um horário alargado (entre as 7h e as 22h, aos dias de semana). Outro fator a ter em conta é o horário aos fim de semana. Há ginásios abertos aos domingos, por exemplo? Sim. Embora o horário seja mais reduzido (abrem entre as 9h e as 10h e fecham às 18h, na maioria deles), já há muitos clubes abertos ao domingo, como é o caso do Holmes Place, Pump Fitness Spirit, Fitness Hut, Clube VII e Virgin Active.

Preferência por um ginásio feminino

Dispensa sítios com muita gente e não quer ver culturistas a levantar pesos. Opte por um ginásio só para mulheres, como o Vivafit. Este ginásio, com clubes espalhados por todo o País, aposta no treino personalizado e nas aulas. Além deste, tem também o Fitstudio, em Vila Nova de Gaia, e o Varequipe, em Lisboa.

Pouco tempo para treinar

Para quem tem pouco tempo para treinar, há uma hipótese que só ocupa 25 minutos do dia: os treinos de eletroestimulação, por outras palavras, treinos curtos de alta intensidade. Durante este tempo, tem vários fios elétricos ligados ao corpo e um personal trainer a acompanhá-la, enquanto lhe pede para fazer séries de exercícios. Embora esta não seja uma modalidade muito antiga, já há vários espaços pelo País a apostarem nela. Experimente o E-Fit, a Rapid Fit & Well e o Personal20 (este último só para mulheres).

Necessidade de ter um personal trainer

Há quem não prescinda dos treinos personalizados, aliás, há quem sinta que precisa mesmo de um personal trainer para começar a ver resultados. Quanto à escolha daquele que é melhor para si, leia as sugestões que lhe damos aqui. Depois de analisar todos os pontos, procure o PT que melhor corresponde aos seus requisitos nestes ginásios: Holmes Place, Fitness Hut, Vivafit, Clube VII, Ginásio Clube Português e Virgin Active.

Variedade de aulas

Passadeiras, bicicletas e prensas de pernas não é consigo. Prefere estar 45 minutos a dançar, ou a fazer exercícios esquematizados ao som da música e com pessoas a fazer o mesmo ao seu lado. Aliás, gosta de diversidade e por si faz uma aula diferente por dia. Experimente inscrever-se no Fitness Hut (até tem aulas virtuais), no Holmes Place, no Vivafit ou no Pump Fitness Spirit.

Ginásios low cost

Low cost não significa que é mau, sem condições. Um bom exemplo disso são as cadeias Fitness Hut e Pump Fitness Spirit, dois grupo de ginásios com preços bastante acessíveis e com boas condições. Enquanto no Fitness Hut os preços começam no de €5,50 por semana, no Pump Fitness Spirit há uma mensalidade a €15.

Ginásios com sauna e banho turco

Relaxar, sentir-se bem. É tudo o que precisa depois de uma aula no ginásio. Para não ter que ir até outro sítio (e assim poupar tempo) pode sempre escolher um ginásio que tenha sauna e banho turco. É o caso do Holmes Place, do Virgin Active (club Palácio Sottomayor) e do Clube VII.

Ginásios com piscina

Se gosta de nadar e intercalar os treinos com idas à piscina, que tal escolher um ginásio onde possa fazer isso tudo? Tente o Ginásio Clube Português, o Virgin Active e o Holmes Place.

Quais são os critérios que tem mais em conta quando escolhe um ginásio? Conte-nos a sua experiência.

One Comment

  1. antonio.saraiva@hotmail.com'
    António Saraiva / 2 de Janeiro de 2017 at 18:38 /Responder

    O fitness hut não é mau, é péssimo. Nível de treino e conhecimentos técnicos do pessoal é baixíssimo e o atendimento ao cliente é totalmente despersonalizado. Por isso se chama low cost. Low cost, normalmente é sinónimo de baixa qualidade. Infelizmente pude confirmá-lo pessoalmente. Primeira e última vez.

Leave a Reply