By

O Natal e a passagem de ano são épocas que devemos passar com as pessoas que amamos. E será que isso implica, por exemplo, apresentar o namorado à família? E no caso de estar casada, quem é que deve abdicar de estar com os pais para passar o Natal com os sogros? Até que ponto tudo isto afeta a relação?

Lá para meados de novembro a conversa é sempre a mesma na casa dos Faria: “este ano o Natal é com os teus pais ou com os meus?”. A conclusão também nunca varia: “pronto, vais ter com os teus que eu vou ter com os meus e depois logo nos encontramos no jantar de dia 25. O pior é quando tivermos filhos. Quero ver como ficará a nossa relação!”.

A situação pode soar a estranho, mas em muitas casas é isto que se passa nesta altura do ano. Afinal, esta é uma época que deve ser passada em família, família essa que por vezes é tão grande e dispersa que obriga a que os dois membros do casal vão cada um para seu lado. Não é, contudo, este o único exemplo. Quando a um casal de namorados diz respeito, há também complicações. É a mãe que pergunta ao filho se não acha uma boa altura para conhecer a futura nora, é a avó matriarca que não aceita que a neta não vá ao jantar de família porque está na casa do namorado. Quem sofre? A relação, que muitas vezes é abalada nesta altura.

A seguir, conheça alguns problemas que surgem nesta altura e saiba como resolvê-los para o bem dos dois.

Problema

“Chega à altura das festas e há tanta coisa para fazer que nunca fazemos sexo!”

Resolução

É muito importante que um casal mantenha uma vida sexual ativa. Embora haja alturas da vida em que possam fazer menos sexo (ou porque têm mais trabalho e andam cansados ou por questões de saúde) é imperativo que não se torne rotina. Na altura do Natal é normal que, com tanta coisa para programar, as pessoas deixem a relação para segundo plano. Num relacionamento consistente, este desapego não trará consequências maiores, no entanto, também não nos devemos despreocupar. Aproveite para reservar umas horas para o seu parceiro e prepare-lhe algo especial (que tal um jogo sexual ou uma massagem erótica?). Tem de ser te tal forma intenso que não parará de falar disso nos dias seguintes. E, claro, de pedir bis!

Problema

“Este ano quero ir para casa dos meus pais mesmo que passes com os teus!”

Resolução

Lá vem a situação da família Faria. Neste caso, ambos devem ter o mesmo poder de decisão. É importante que haja uma conversa franca em que cada um expõe os motivos que o levam a optar por passar com umas pessoas e não com outras. Por vezes, há razões fortes, como ter um familiar doente. Tente perceber os motivos do seu parceiro e explique-lhe os seus. No fim, cheguem a um acordo e quem sabe um de vós vai ceder.

Problema

“Não aguento passar dois dias com o teu irmão!”

Resolução

Este é talvez um dos problemas mais difíceis de resolver. Ninguém gosta de ouvir falar mal (ou menos bem, vá) de alguém da família. É até muito difícil de conseguir gerir uma má relação entre um namorado/marido e um familiar nosso. E mais: é difícil sentir que somos quem tem de apaziguar qualquer situação que possa acontecer. A melhor forma de lidar com esta situação é tentar perceber se não há mesmo amizade ou lidação possível. Se não existir essa possibilidade, o melhor é aceitar o afastamento. Mas sem nunca antes tentar que os dois estejam no mesmo espaço respeitosamente.

Problema

“Ele quer apresentar-me à família, mas não estou preparada!”

Resolução

Se não está, não force. O seu parceiro só tem de respeitar isso, como o mesmo tem de acontecer se for ao contrário. Quando conhecemos a família do nosso parceiro criam-se logo laços, mesmo que não seja essa a nossa intenção. É inevitável que comece a ser convidada para almoços de família e aniversários. Se acha que a relação ainda não está madura para que isso aconteça, explique isso à outra pessoa de forma sincera e passe o Natal com a sua família.

 

Leave a Reply